RSS

Ferramentas Ergonômicas – Moore e Garg

sex, abr 4, 2008

Ferramentas Ergonômicas

Hoje iremos falar sobre uma das ferramentas mais utilizadas em análise ergonômica do trabalho: o Strain Index ou Índice de Moore e Garg.

  • O que é o método de Moore e Garg?

É um método de análise de risco de desenvolvimento de disfunções músculo tendinosas em membros superiores.

O nome “oficial” por assim dizer é Stain Index (ou índice de esforço) e foi desenvolvido em 1995 por MOORE, J. S e GARG, A.; com principal objetivo de avaliar o risco de lesões em punhos e mãos.

Apresenta grande aceitação no meio acadêmico, empresarial e judicial, quando se trata de demandas relacionadas à repetitividade, aplicação de forças e posturas forçadas para extremidades distais de membro superior.

Para termos uma idéia do que estamos avaliando, vamos passar por algumas definições que se fazem necessárias neste ponto do artigo. Iremos falar um pouco sobre a repetitividade e a aplicação de forças.

  • O que é repetitividade?

Geralmente na indústria, as tarefas podem ser caracterizadas segundo Escorpizo & Moore (2007) como:

  1. Inteiramente automatizado, onde uma tarefa é feita por uma máquina, por um motor, ou pelo equipamento;
  2. Semi-automatizado, onde uma tarefa é compartilhada por uma máquina e por um trabalhador; e
  3. Manual, em que a tarefa é realizada inteiramente pelo trabalhador

Ainda segundo estes autores, as atividades de trabalho totalmente automatizadas e manuais não tem representado tantos problemas quanto àquelas em que o homem compartilha com a máquina sua tarefa. Nesta circunstância lhe é cerceado a possibilidade de controle sobre sua tarefa.

Porém, ainda falta definir o que é ser repetitivo?

Para Hagberg e Silverstein, o conceito de repetitividade compreende:

  • Mais de 50% da jornada realizando a mesma tarefa;
  • Ciclos repetidos com menos de 30 segundos de duração.

Apesar de ainda muito a acrescentar nestes conceitos, eles servem de base para “tentarmos” definir o que é uma atividade repetitiva. Vejamos que essa não é uma tarefa fácil. Podemos até delimitar o que é uma tarefa repetitiva, porém a dificuldade está justamente em determinar até que ponto esta tarefa é potencialmente causadora de lesões.

E aqui entramos no segundo ponto a esclarecermos antes de chegarmos ao método em si – a aplicação de forças.

  • Aplicação de forças

Quando tratamos de aplicação de forças, estamos diretamente ligados à capacidade de contração e relaxamento muscular. A maior (ou melhor) propriedade do músculo está justamente na sua capacidade de contrair e distender-se, conseqüentemente gerando força.

A estrutura músculo esquelética de membros superiores desperta grande interesse no ambiente industrial, visto que estas estruturas não foram “programadas” para gerar grande volume de força por longos períodos de maneira cíclica.

“Não somos máquinas, somos simplesmente humanos”.

Estudos científicos já de longa data permitem afirmar que em plenas condições físicas e mentais, homens e mulheres tem capacidades diferentes de gerar força muscular; fator decorrente da estrutura anatomo-fisiológica de ambos.

Em 1960, Hettinger examinou em homens e mulheres, a força máxima muscular gerada por três grupos musculares, sendo que seus resultados apontam que a força máxima de um destes grupos – apertar as mãos – foi de 460 N (40,67 Kg) para homens, com desvio padrão de 120, e 280 N (28,55) em mulheres, com desvio padrão de 70 (publicado no livro Manual de Ergonomia de KROEMER & GRANDJEAN, 2005).

Neste livro, os autores ainda permitem discutir alguns fatores que podem interferir na geração de forças:

  • Idade: trabalhadores entre 50 e 60 anos exercem 70 a 85% da força máxima original;
  • Gênero: mulheres tem 2/3 da força dos homens;
  • Condicionamento Físico;
  • Motivação: estímulos adequados promovem bem-estar

Portanto, conclui-se neste ponto que os parâmetros repetitividade e força são complexos e envolvem uma gama de fatores que podem contribuir para avaliações precisas ou não de uma situação de trabalho.

–> Parâmetros de análise do método

  • FIE – Fator Intensidade do Esforço

A intensidade do esforço é uma estimação do esforço requerido para realizar a tarefa uma vez. Trata-se de um parâmetro subjetivo de avaliação da quantidade de esforço realizado pelo trabalhador na realização de uma tarefa. Um dos pontos a se analisar é a expressão facial.

ver tabela –> FIE

  • FDE – Fator Duração do Esforço

O percentual de duração do esforço se calcula medindo a duração do esforço durante um período de observação dado, e dividindo-se esse tempo pelo tempo total e multiplicando por 100. Basicamente por quanto tempo um esforço é mantido.

As tabelas ao lado exemplificam o cálculo    FDE tabela8.jpg

  • FFE – Fator Freqüência do Esforço

O fator freqüência do esforço nada mais é do que o número de esforços que ocorre durante um período de observação. Deve-se observar que cada ação técnica é um esforço distinto; Quando o esforço for estático considere a freqüência máxima.

Veja na tabela abaixo a classificação e o multiplicador da fórmula de cálculo.

FFE

  • FPMP – Fator Postura da Mão e Punho

A postura de mão e punho é uma estimativa da posição destas regiões corporais em relação à posição neutra. Também se faz necessário o uso de filmagens para uma maior fidedignidade.

A tabela abaixo à esquerda exemplifica como caracterizarmos a posição da mão e punho e a tabela à direita os fatores para multiplicação na fórmula.

tabela4.jpg                      tabela5.jpg

  • FRT – Fator Ritmo de Trabalho

O fator ritmo do trabalho é uma estimação do quão rápido a pessoa está trabalhando. Segundo a classificação do método o ritmo pode variar desde muito lento à muito rápido.

A maneira mais precisa para isso é realizando a verificação da taxa de ocupação da tarefa, por meio do estudos de tempos e métodos. Na prática se observa se o trabalhador está com “tranquilidade” na linha, se ele realiza deslocamentos, se tem que “correr” atrás do produto, dentre outras características.

A Tabela ao lado orienta na identificação dos fatores. –> tabela6.jpg

  • FDT – Fator Duração do Trabalho

O fator duração do trabalho expressa, em horas, o tempo em que a pessoa fica exposta a atividade de trabalho. Quantifica-se a jornada de trabalho.   tabela7.jpg

  • O cálculo

Inseridos todos os “fatores de multiplicação” procede-se ao cálculo, que nada mais é do que o produto (multiplicação) de todos os fatores.

Os critérios de interpretação seguem a seguinte ordem:

  1. < ou igual a 3,0 –> trabalho seguro;
  2. 3,0 a 5,0 –> duvidoso, questionável;
  3. 5,0 – 7,0 –> risco de lesão da extremidade distal do membro superior;
  4. > 7,0 –> Alto risco de lesão; tão mais alto quanto maior o número observado.
  • Considerações Finais

Assim como todas as ferramentas ergonômicas o Strain Index (Moore e Garg) não deve ser utilizado como ferramenta de diagnóstico e sim de auxílio no diagnóstico.

Um relatório bem detalhado de uma atividade de trabalho analisada deve conter explanações sobre os dados observados, caracteríscas de trabalho que levam a ocorrência de tal achado e particularidades de cada posto de trabalho.

Se bem utilizada, o critério de Moore e Garg permite uma quantificação do risco em membros superiores por sobrecarga funcional, permite simulações de melhoria no posto de trabalho e adequação do posto de trabalho perante órgãos fiscalizadores.

Devemos tomar cuidado com a finalidade da ferramenta, pois se ocorrem deslocamentos no posto (por ex. andar por curtas distâncias) não devemos aplicar o método.

No mais, cautela na coleta, conhecimento do que se está avaliando e precisão nas medições garantem um bom trabalho de campo e uma análise concisa e de qualidade.

 


, , , ,

Artigo escrito por:


Contactar o autor

2 Comentarios para este artigo

  1. Mauricio Disse:

    Utilizo a ferramenta e confirmo sua simplicidade em aplicá-la, mas devemos nos atentar ao trabalho real. Muitos erros de avaliação ocorrem quando ao avaliar uma atividade no setor esquecemos que existem outras atividades e isso deve ser levado em conta. Os fatores de riscos devem ser somados para que num cálculo final possamos adequar a atividade em tempo, esforço físico, repetição…. de acordo que não coloque o funcionário em risco.

    Att

    Mauricio Garcia

  2. Thiago Pegatin Disse:

    Olá Maurício, tudo bem

    Está muito correta sua colocação, e como o próprio nome diz “Ferramenta” deve sempre ser utilizada como meio auxiliar em uma análise completa de um setor e mais especificamente na atividade das pessoas.

    Obrigado pelo contato e bons trabalhos.