RSS

Ferramentas Ergonômicas – Niosh

ter, abr 1, 2008

Ferramentas Ergonômicas

Muitas acadêmicos e profissionais que atuam na área de ergonomia e saúde ocupacional se deparam com situações em que é necessário “quantificar” uma situação de trabalho analisada.

Este é um ponto crucial visto que em ergonomia a maior parte da análise se desenvolve no campo qualitativo, onde caracteristicas de uma atividade são descritas.

Dentre essas necessidades podemos citar a quantificação do levantamento manual de cargas, que ainda nos dias de hoje é uma das maiores causas de disfunções músculo esqueléticas nos trabalhadores.

O Niosh é a ferramenta magna quando analisamos este fator, sendo aceito e utilizado em diversos países.

Este artigo objetiva esclarecer os conceitos que embasam o método, bem como sua aplicação na prática.

 

  • Como surgiu o Niosh?

Em 1980, nos Estados Unidos, sob iniciativa do National Institute for Ocupational Safety and Health – NIOSH, patrocinou-se o desenvolvimento de um método para determinar a carga máxima a ser manuseada e movimentada manualmente numa atividade de trabalho – NIOSH – Work Practices Guide for Manual Lifting (1981).

Para isto, um grupo de pesquisadores reuniu-se para a formulação de um método consistente sobre o assunto, levantando referências bibliográficas de todo o mundo e concluíram que este método deveria levar em conta quatro aspectos básicos:

  • o epidemiológico –> Que é o estudo das doenças, sua incidência, prevalência, efeitos e os meios para sua prevenção ou tratamento (Barbanti, 1994).
  • o psicológico –> que considera o comportamento humano numa determinada situação. No caso do trabalho, observamos que a imposição de certas tarefas depende da aceitação do próprio trabalhador;
  • o biomecânico –> levando em conta as estruturas e funções dos sistemas biológicos, usando conceitos, métodos e leis da mecânica;
  • o fisiológico –> estudando as funções do organismo vivo. Procurou-se por meio da fisiologia do exercício, estudar as funções do organismo em relação ao trabalho físico.
  • O que ficou estabelecido?

Estabelecido um critério não baseado em determinada carga, acima da qual seria problemático e abaixo da qual haveria segurança, nem se basearam em estabelecer uma freqüência máxima, nem uma técnica especifica para se fazer um esforço.

O método utilizado estabeleceu que, para uma situação qualquer de trabalho, no levantamento manual de cargas, existe um L.P.R. O L.P.R, uma vez calculado, compara-se com a carga real levantada, obtendo-se então o Índice de Levantamento (I.L).

Assim, estipula-se que se o valor do I.L, for menor que 1.0, a chance de lesão será mínima e o trabalhador estará em situação segura; se o valor for de 1.0 a 2.0, aumenta-se o risco; e se a situação de trabalho for maior que 2.0, aumentará o risco de lesões na coluna e no sistema músculo-ligamentar (Waters, 1993; Couto, 1995).

Segundo os pesquisadores uma carga abaixo dos limites recomendados:

  • a incidência de lesões dorsais e de acidentes não aumenta significativamente;
  • a carga limite induz uma força de compressão da ordem de 350 kg sobre o disco L5-S1, que pode ser tolerado pela maioria dos trabalhadores jovens e em boas condições de saúde;
  • o gasto energético ultrapassaria 240 Watts quando a tarefa é superior a CLR;
  • mais de 75% das mulheres e 95% dos homens são muscularmente capazes de levantar cargas correspondentes a CLR.
  • A Fórmula de cálculo

Limite de peso recomendado:

  • LPR = 23 x FDH x FAV x FDVP x FFL x FRLT x FQPC ou;
  • LPR = 23 x HM x VM x DM x FM x AM x CM

Onde o valor 23, corresponde ao peso limite ideal, quer dizer, aquele que pode ser manuseado sem risco particular, quando a carga está idealmente colocada, compreendendo:

  • FDH (Fator de Distância Horizontal em relação à carga) = 25 cm;
  • FAV (Fator de Altura Vertical em relação ao solo) = 75cm
  • FRLT (Fator de Rotação Lateral do Tronco) = 0
  • FFL (Fator Freqüência de Levantamento) menor que uma vez a cada 5 minutos;
  • Pega da carga fácil e confortável (boa).
  • Como realizar o cálculo?

A grande maioria dos estudantes e profissionais da área sempre procuram por planilhas prontas, no anseio da rápida resolução dos seus problemas.

É óbvio que todo programa computacional, seja uma simples planilha em excel ou um sofisticado software de análise, facilitam muito o trabalho de análise. Porém, não podemos esquecer que são meios complementares; de nada adianta utilizarmos um mecanismo para o qual não sabemos a finalidade.

Então vamos as varáveis presentes na fórmula:

  • FDH – corresponde a distância horizontal (em centímetros) entre a posição das mãos no início do levantamento e o ponto médio sobre uma linha imaginária ligando os dois tornozelos. Calcula-se divindo a constante 25 pela distância mensurada. Portanto se a carga está 30 cm de distância do corpo, teremos: 25/30= 0,83 (fator de multiplicação da fórmula)
  • FAV – corresponde à distância vertical (em cm) das mãos com relação ao solo no início do levantamento. O cálculo se dá por meio da fórmula: 1 – (0,003 x [V-75]) – para alturas até acima de 75 cm e; 1 – (-0,003 x [V-75]) – para alturas até 75 cm . Lembramos que os números apresentados são constantes da fórmula e não devem ser modificados, cabendo apenas ao analista a mensuração da distância das mãos (na pega) no início do levantamento – Fator “V”. Por exemplo, se no levantamento de uma caixa sobre um palet de 20 cm: 1 – (-0,003 x [20-75]) = 0,835 (Fator de multiplicação)
  • FDVP – corresponde à distância vertical percorrida desde do início do levantamento até o término da ação. Sua fórmula de cálculo é assim utilizada: (0,82 + 4,5/D); onde “D” é a distância total percorrida. Muitas pessoas acabam se confundindo neste fator em situações em que a carga encontra-se em alturas elevadas, como por exemplo esteiras rolantes (trabalho de sacaria). Nesta condição podemos encontrar alturas iniciais de até 200 cm (ou 2 metros). O que fazer? Na verdade o procedimento é o mesmo: se o trabalhador apanha um saco nesta altura e leva até o palet (40 cm), teremos: altura inicial (200) – altura final (40) = distância percorrida “D” (160 cm). Ai é só substituir na fórmula de cálculo: (0,82 + 4,5/160) = 0,85 (fator de multiplicação);
  • FFL – o fator freqüência de levantamento é obtido por meio de uma tabela pré-estabelecida. Nesta tabela deveremos observar quantas vezes o funcionário realiza o levantamento dentro de um minuto, a duração desta atividade e a distância vertical (V) em que o levantamento acontece. Desta obtemos os seguintes índices:

Fator Frequência de Levantamento

  • FRLT – o fator rotação lateral do tronco como o próprio nome sugere, verifica a rotação em graus durante o transporte da carga. A fórmula de cálculo se dá por: 1-(0,032 x A). Então se um funcionário realiza uma pega a sua frente e leva até uma esteira lateral esse ângulo pode aproximar-se de 90º, então: 1-(0,032 x 90) = 0,71 será o fator de cálculo;
  • FQPC – o fator qualidade de pega da carga segue alguns fatores mais qualitativos. A figura abaixo explicita algumas recomendações para se determinar a qualidade da pega:

Pega            Pega Tabela

  • O Índice de Levantamento

O Índice de Levantamento (IL) do método Niosh é o que determina se uma atividade apresenta risco de lesão músculo esquelética e ainda quantifica esse risco.

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, o índice de 23 Kg amplamente difundido não é aplicável à todas as situações de trabalho encontradas; e sim o IL.

O IL nada mais é do que a divisão da constante (23 kg) pela multiplicação de todos os outros fatores como ja apresentados previamente.

A interpretação dos resultados segue os seguintes parâmetros:

  • IL menor que 1,0 –> condição segura – chance mínima de lesão;
  • IL entre 1,0 e 2,0 –> condição insegura – médio risco de lesão;
  • IL acima de 2,0 –> condição insegura – alto risco de lesão.
  • A utilização do método

O Niosh é um método amplamente difundido e utilizado no Brasil e no mundo. Podemos citar aqui algumas situações em que pode ser aplicado, mas não podemos nos restringir a elas:

  • Análise de postos de trabalho;
  • Perícias ocupacionais;
  • Priorização de riscos entre diversos postos;
  • Adequação à legislação;
  • Simulação de projetos de melhoria – fazemos um parêntese neste ponto pois consideramos a melhor aplicabilidade do método. Por meio de simulações através dos diversos indicadores, podemos agir precisamente no posto de trabalho, melhorando os itens mais críticos ou até mesmo determinando a interrupção de uma atividade até que melhorias sejam feitas.
  • Considerações Finais

Esperamos que este artigo possa ajudar alguns na melhor utilização do método Niosh e na melhoria das condições de trabalho, uma vez que esta melhoria proporciona benefícios tanto para empresas quanto para os trabalhadores.


, ,

Artigo escrito por:


Contactar o autor

5 Comentarios para este artigo

  1. ROBERTO MUSSI Disse:

    MEUS PARABENS. O ARTIGO AJUDOU MUITO ESTÁ BEM DIDÁTICO

  2. Thiago Pegatin Disse:

    Obrigado Roberto

    Estamos sempre à disposição

    Abraços

  3. Cláudio Friedrich Disse:

    Bom o site.

  4. Aline Hirosse Disse:

    Excelente! Obrigada!

  5. Vilcastro Pereira Pires Disse:

    Material do Site de fácil compreensão e de uma riqueza de detalhes sobre os assuntos abordados, Parabéns.